Trazendo ordem a partir do caos

CaosO cenário é simples, uma empresa com projetos atrasados, qualidade baixa e entregas demoradas. Parece o panorama de uma empresa qualquer de software não só no Brasil, mas em qualquer lugar do mundo. Acredito que pode ser a minha empresa, a sua ou de algum amigo seu.

No primeiro momento é simples, há uma necessidade clara de maior controle sobre os prazos, sobre o andamento dos projetos, e principalmente sobre a qualidade e as entregas. Dentro desta configuração não se pode imaginar algo diferente, que não seja agir com mão firme, trazer as rédeas para junto do corpo e traçar metas para melhoras os indicadores da nossa empresa.

O grande desafio agora é com fazer isso, sem pressionar desnecessariamente os desenvolvedores envolvidos com cada um dos projetos. Com fazê-los pensar como empresa, sendo parte não apenas do problema, mas principalmente da solução.

Quando estamos no caos, a primeira coisa que se pensa em fazer é reestruturar tudo, mexer as peças do tabuleiro e movimentar os peões em direção ao sacrifício necessário para cumprir as expectativas, mesmo que isso custe a um longo prazo a saúde do ambiente de trabalho, causando estresse, desarmonia e trazendo grande insatisfação.

A proposta é simples, porque não adotar algo novo, trazendo transparência para todo o processo e principalmente para a relação com o cliente. Dar voz aqueles que podem resolver os problemas, planejar com os pés no chão e andar um passo de cada vem em direção à excelência na prestação do serviço.

Que tal começar a planejar o desenvolvimento por períodos mais curtos, olhando mais de perto o que está prestes a ser desenvolvido, deixando para planejar o restante conforme for chegando a hora de executar. Divida o escopo do produto em partes ordenadas a partir do valor que elas representam para a solução do problema do cliente.

Reúna-se com seu cliente em períodos menores ao invés de apresentar o resultado todo no final do desenvolvimento. Dê a ele a oportunidade se sentir que é parte atuante do processo. Impute a ele algumas responsabilidades, como por exemplo, ordenar a lista de desejos que ele com certeza têm para o software que te contratou para construir. Ouça quando ele disser que algo pode ser melhor, mesmo que isso signifique ignorar seu próprio ego de desenvolvedor, que nos leva às vezes a pensar que sabemos tudo o que o cliente quer ou precisa.

Ordem ou Caos

Estime uma data, mas que fique claro que, isso é apenas uma estimativa, e no decorrer do projeto você reavaliará essa data juntamente com seu cliente, para que ele saiba com certeza como está o andamento do projeto.

Adote documentação simples, de fácil entendimento e que sirva de guia para o desenvolvimento, não peso para a manutenção dos requerimentos do software. Desenvolva primeiro o teste ao invés de testar tudo o que está pronto depois de feito. Preocupe-se com a qualidade interna, não se esquecendo da externa, mas focando no funcionamento mais do que na beleza do sistema.

Deixe sua equipe livre para sugerir melhorias no processo, que de preferência isso seja feito ao final de cada entrega das partes do software que você irá construindo ao longo do projeto. Ouça suas necessidades e sugestões, abra os olhos para o que tira o foco, atue em cima do que impede que o time desenvolva mais rápido e com melhor qualidade. Permita-os reunir-se diariamente para discutir o andamento das atividades que estão realizando, não com uma cobrança diária pelo andamento, mas sim para inspecionarem o que eles mesmos estão fazendo e ajustar algo se necessário for.

Estipule metas para períodos que não passem de 30 dias e avalie posteriormente se a meta foi cumprida conforme a porção do negócio que foi planejada para aquele período, não apenas pelas atividades completas ou falhas. Às vezes coisas darão errado, desvios irão surgir e não vale a pena achar culpados, mas sim ajustar o rumo para que a visão do que o produto pede, ou seja, para que o sonho do cliente se torne realidade.

Não meça o seu time pelas horas que eles trabalham, mas sim pela porção de software que entregaram ou até mesmo pela quantidade baixa de bugs conhecidos, quem sabe até pelo nível de satisfação do cliente. Ninguém gosta de ser aferido com medidas que não condizem com a verdade dos fatos.

Adote uma postura ágil, não para andar mais rápido nas entregas, mas para corrigir desvios de forma rápida. A síntese da agilidade é esta.

Analisar como é o ecossistema e aceitar que às vezes algumas coisas precisam ser mudadas para o bem comum e sobrevivência da própria empresa.

Incentive as pessoas a estudarem boas práticas, bons padrões de projeto, desenvolvimento guiado por testes, integração contínua entrega incremental e continuada e principalmente, adote isso tudo em seu ambiente de trabalho.

Tudo que disse aqui parece até fácil, mas adianto que não é, requer comprometimento, dedicação e um esforço grade de toda a organização para que o sucesso seja alcançado. Porém os frutos são bons e transformam bons profissionais em excelentes e competentes. Não falhar é a escolha! Simples assim.

2 pensamentos sobre “Trazendo ordem a partir do caos

  1. Parabens pelo post. Se uma pequena massa de profissionais trabalhassem assim, não haveria um grande nivel de insatisfação

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s